dge

Programas e Projetos nas EscolasOutros Projetos da DGE

Inicial > Acordo Ortográfico > LEGISLAÇÃO E INSTRUMENTOS NORMATIVOS > Vocabulário Ortográfico do Português > Principais mudanças do AO

Principais mudanças do AO

As Mudanças Principais

Esta página identifica e descreve todas as regras de escrita que mudam com o Acordo Ortográfico de 1990
face ao Acordo de 1945, vigente em Portugal, PALOP e Timor-Leste, e face ao Formulário Ortográfico de 1943,
em uso no Brasil. As mudanças que afetam apenas a grafia usada no Brasil são marcadas a violeta;
as que incidem sobre a forma de escrever nos restantes países são indicadas a azul.

Apresentação

O que pode encontrar no VOP

Principais mudanças do AO

Critérios de aplicação do AO

Equipa do VOP

 

Hífen

antirrevolucionar
codependente

Com o Acordo Ortográfico, a presença do hífen em palavras prefixadas torna-se mais restrita e as regras que determinam o seu uso mais sistemáticas. De modo geral, em grande parte das situações deixa de se usar hífen em palavras prefixadas. Por exemplo, passa a escrever-se codependente e contraindicação em vez de co-dependente e contra-indicação. Mesmo nos casos em que o segundo elemento da palavra prefixada começa por r ou s deixa de se usar hífen, duplicando-se antes essa letra: antirrevolucionar e não anti-revolucionar, contrassenha e não contra-senha. No entanto, continuam a existir alguns casos em que o hífen é usado em palavras prefixadas: quando a palavra prefixada começa por h (anti-herói) e quando a última letra do prefixo é igual à primeira letra da palavra prefixada (mantém-se contra-ataque, por exemplo)*. Há ainda alguns prefixos que levam sempre hífen: ex- (com sentido de anterioridade), e prefixos graficamente acentuados como pré- e pró-. Em todos os outros casos, as palavras prefixadas não são divididas por hífen.

 *Existem outras exceções, nomeadamente as que envolvem as consoantes nasais m e n, que, nos casos em que a sua aglutinação ortográfica implique uma leitura indesejada ou uma violação das restrições contextuais (e.g. *np) da ortografia do português, continuam a escrever-se com hífen: mantém-se, pois, circum-navegar e pan-brasileiro.
Os prefixos átonos como co-, re-, pre- ou pro- representam outra exceção, sendo sempre escritos sem hífen, mesmo quando a primeira letra do segundo elemento repete a última do primeiro (por exemplo, nas palavras cooperação e preencher)
.

fim de semana

As locuções, quando o eram, deixam de ser escritas com hífen: fim de semana e não fim-de-semana; cor de vinho e não cor-de-vinho. Do mesmo modo, devem ser escritas sem hífen sequências constituídas pelos advérbios não ou quase e outra palavra: não alinhado, não fumador, quase dito.

anti-/-incêndio

Passa a ser obrigatório (anteriormente opcional) repetir o hífen na linha seguinte nos casos em que a translineação se faz onde exista já um hífen: anti-/-incêndio.

há de

As formas monossilábicas de haver deixam ser ligadas por hífen à preposição de: há de e não há-de.

 

Acento

tônico/tónico

O uso do acento circunflexo ou agudo nas vogais e e o passa a depender da forma como essas vogais são lidas em cada país. Visto que a pronúncia de palavras como tônico / tónico é diferente no Brasil e nos restantes países, na prática continua a escrever-se da mesma forma: em Portugal, nos PALOP e em Timor-Leste continua a escrever-se tónico, no Brasil mantém-se a forma tônico. No entanto, ambas as formas passam a ser legalmente corretas em todos os países, desde que usadas de forma sistemática, sendo a norma de cada país a determinar a forma que deve ser usada no seu espaço geográfico.

pela, pera, para

Algumas palavras que antes tinham acento gráfico apenas para serem distinguidas de homógrafos (ou seja, de palavras que se escrevem da mesma forma) deixam com o novo acordo de ser acentuadas: assim, escreve-se agora pelo e não pêlo, deixando de se distinguir da contração da preposição por com o artigo definido o. Da mesma forma, passa a escrever-se pela e não péla, para e não pára (imperativo singular do verbo parar)*.

*A exceção é a forma verbal pôr, que se mantém diferente da preposição por. A 1ª pessoa do plural do presente do conjuntivo do verbo dar continua opcionalmente a poder ter a forma dêmos, a par de demos.

joia, ideia

Segundo as novas regras, os ditongos tónicos na penúltima sílaba deixam de ser marcados com acento gráfico: assim, palavras como jóia e paranóico passam a escrever-se joia e paranoico. Esta regra aplica-se também às palavras com ditongo ei tónico, que no Brasil eram até aqui escritas com acento: idéia e nucléico passam a ser escritas como nos restantes países, ideia e nucleico.

desague, baiuca

As formas verbais de verbos cujo infinitivo termina em -guar, como desaguar, e em -quar, como adequar, com u acentuado depois de g ou q, deixam de ser marcadas com diacrítico - adeque e não adeqúe para o conjuntivo presente e o imperativo de adequar. Também desaparecem os acentos gráficos nas vogais tónicas i e u quando são antecedidas de um ditongo: baiúca passa a escrever-se baiuca, saiinha passa a ser a forma correta da palavra que antes se escrevia saiínha.

 

Consoantes Mudas

ação, colecionador, atual, rececionista, perceção, ótimo

Quando precedem um t, ç ou c, as letras c e p passam a escrever-se apenas se forem pronunciadas: ação em vez de acção, ótimo por óptimo. Nas sequências mpt, mpc e mpç o m passa a ser escrito n quando o p não se escreve: perentório e não peremptório. Em todos estes casos, quando a consoante é realizada na pronúncia realiza-se também na ortografia: pacto não passa a ser escrito *pato.

À semelhança do que já sucedia no Brasil, esta regra passa a aplicar-se também em Portugal, nos PALOP e em Timor-Leste.

cacto/cato

Ainda de acordo com a regra anterior, nos casos em que a pronúncia de uma palavra varie quanto à pronúncia de c ou p, ambas as formas são aceitáveis, sendo a consoante escrita opcionalmente ou de acordo com a pronúncia dominante em cada país. Assim, detectar será aceite no Brasil, mas nos restantes países a norma aconselhará detetar. Da mesma forma, deverá poder escrever-se em todos os países caraterística ou característica, refletindo a variação existente na oralidade nos espaços em que o português é falado.

amígdala/amídala

A primeira letra nas sequências gd, tm, mn e bt pode também não ser escrita sempre que a forma como a palavra é dita num dado espaço geográfico o permita. Esta regra não vem alterar mais que o estatuto de algumas formas, no entanto: a grafia amídala para a palavra amígdala continua a ser possível no Brasil, sendo no entanto desaconselhada nos restantes países, onde o g é sempre pronunciado. Da mesma forma, a palavra omnisciente continuará a escrever-se opcionalmente no Brasil como onisciente, devendo os outros países continuar a usar a primeira.

 

Trema

sequência

No Brasil, deixa de ser usado o trema para distinguir as sequências qu e gu em que o u é realizado foneticamente. Passa a escrever-se sempre sequência, deixando seqüência de ser possível; da mesma forma, aguentar e não agüentar.

 

Maiúsculas

janeiro, verão, norte

Várias palavras passam a ser escritas com minúscula em vez de maiúscula: os meses (escreve-se agora janeiro e não Janeiro), as estações do ano (verão em vez de Verão) e os pontos cardeais (sudoeste em vez de Sudoeste).

professora, avenida

Passa a ser opcional o uso da letra maiúscula em formas de tratamento (professor ou Professor, opcionalmente), e logradouros públicos (avenida da Liberdade ou Avenida da Liberdade, também opcionalmente).

 

Alfabeto

kantiano d>

As letras k, w e y, que até agora não eram consideradas parte do alfabeto do português, são agora nele incluídas. No entanto, o uso destas letras não sofre qualquer mudança, continuando a usar-se apenas em palavras com origem noutras línguas e nas palavras que delas derivam.

 

Letra h

úmido/húmido

A descrição do uso da letra em início de palavra, como em hotel, é mais detalhada no Acordo Ortográfico de 1990. No entanto, a situação na prática não muda: o h inicial é usado apenas quando existe uma justificação etimológica para isso, mas não quando a escrita sem h é já consagrada pelo uso. Ou seja, em casos como úmido/húmido, a grafia usada mantém-se diferente de acordo com o país: continua a escrever-se húmido nos PALOP, Timor-Leste e Portugal e úmido no Brasil.

 


FONTE: ILTEC | Portal da Língua Portuguesa